Fonte: INPE
 

Você está na matéria do Parque Estadual do Itacolomi


Nas trilhas do Itacolomi

Texto: Lana Sassaki. Fotos (exceto as creditadas): Marcelo JB Resende. REPRODUÇÃO PROIBIDA.

Avistado de longe, já na estrada a caminho de Ouro Preto, o Itacolomi desperta a curiosidade de quem passa. São mais de 1700 metros de altitude, perfeitos para pessoas que apreciam a prática de caminhadas e o contato com a natureza.

Localizado no sudeste de Minas, a 110 quilômetros de Belo Horizonte, o Parque Estadual do Itacolomi foi criado em junho de 1967. São 7548 hectares de belas e misteriosas paisagens, pertencentes aos municípios de Ouro Preto e Mariana. Vales e montanhas cercam o patrimônio histórico e cultural contidos no parque.

 

A abundância natural da região está por toda parte. Coberto por uma vegetação bastante diversificada, o parque abriga campos rupestres, florestas de candeias e possui grandes áreas remanescentes da Mata Atlântica. As quaresmeiras são as árvores predominantes, encontradas principalmente ao longo dos cursos d'água como o córrego dos Prazeres e o ribeirão Belchior.

 
Clique para ampliar - cópia proibidaRuínas

Clique para ampliar - cópia proibidaA vegetação varia bastante durante a subida

Nas partes mais elevadas das montanhas aparecem os afloramentos rochosos, onde predominam as gramíneas e ciperáceas, sendo freqüentes as canelas-de-ema. Também é muito comum encontrar bromélias e exóticas orquídeas, que atraem a atenção e o interesse dos visitantes.

 

O Parque do Itacolomi concentra uma fauna diversificada. São mais de 400 espécies, conforme o levantamento do Instituto Estadual de Florestas (IEF), que administra a reserva. Há uma grande variedade de animais raros, como o beija-flor de gravata, a lontra e o gato-mourisco. Porém, a região tem sofrido com a ameaça de extinção de algumas espécies. Dentre elas está o lobo-guará, a onça parda, o macaco sauá, a ave povó e o tamanduá-mirim. Na época de seca, os incêndios são uma preocupação constante. Por isso todo o cuidado é exigido de quem visita o parque.


Clique para ampliar - cópia proibidaCasa Bandeirista - autêntica construção do séc. XVIII

Clique para ampliar - cópia proibidaCapelinha - reserva São José do Manso
 

Ademais às belezas naturais, o Parque do Itacolomi reserva expressivos monumentos históricos. Símbolo da ocupação do território mineiro, a Casa Bandeirista da Fazenda São José do Manso hoje é museu. Outrora, a fazenda foi uma grande produtora de chá preto no século XVIII. Lá estão instaladas as máquinas e alguns objetos referentes ao processamento do chá. A Chácara do Cintra também chama a atenção. Formada por admiráveis ruínas, a sede, proveniente do século XVIII, atrai muitos visitantes.

 

Mas a maior atração do parque é conhecer o pico. São aproximadamente 8 quilômetros, equivalentes a quatro horas de caminhada leve. A ida, que alterna trechos planos e de subida, deixa inquietos os visitantes mais curiosos, interessados em alcançar logo o topo. A volta é mais tranqüila, podendo demorar menos de duas horas. Vale a pena o esforço. Além do prazer do contato com a natureza, o Itacolomi proporciona uma das mais belas vistas de Ouro Preto, Mariana e das montanhas que guardavam e ainda guardam as minas de ouro. Fica a pergunta: quem serão os novos bandeirantes?


OBS: Para subir até o pico é necessária autorização. O parque está aberto à visitação pública. A Revista Idas Brasil orienta seus leitores a respeitarem as normas do parque. Sempre vá acompanhado de um guia local autorizado. Os telefones e site do Instituto Estadual de Florestas estão na seção "Informações" desta matéria.



Clique para ampliar - cópia proibida Reserva do Manso vista do alto

Clique para ampliar - cópia proibida Pico do Itacolomi de perto.
 
Clique para ampliar - cópia proibida A beleza da subida.
 
 

Circuito do Ouro



















© 2015 - Idas Brasil - Todos os Direitos Reservados